Por Jornal i
publicado em 23 Jan 2012 - 03:00

“Concertar” Portugal

Muitos diagnósticos foram feitos, muitas páginas escritas, muitas conversas animaram (ou deprimiram) cafés, lares e escritórios, acordos foram assinados e orçamentos aprovados. As opções estão definidas (ou impostas), cabe agora executá-las com o rigor e a qualidade que nos tem faltado em muitos momentos da nossa história. Temos de nos superar e inspirar para … “concertadamente consertar” Portugal. Os próximos anos implicarão um empobrecimento do país e muito das certezas e seguranças que tínhamos, desvanecer-se-ão. Os jovens que dever(i)ão ser futuro do nosso país, a braços com uma taxa de desemprego jovem de 30%, uma das maiores da Europa, colocam o seu talento ao serviços de outras economias. Muitos não voltarão, a oportunidade passou, a nossa bacia de talento esvaiu-se. As empresas que incorrectamente incentivadas beneficiaram de rendas monopolistas, vêm-nas diminuir. Cabe-lhes arregaçar as mangas, reestruturar-se, privilegiar uma cultura de meritocracia, competir com menos ajuda e menos “condições garantidas”, no mercado global. O acordo de concertação social alcançado durante a semana passada, pese embora o esforço requerido às famílias, num período em que a taxa de desemprego pode atingir valores próximos dos 15%, é por princípio um bom sinal, um gesto de boa vontade de agentes políticos e económicos a aguardar reciprocidade – aumenta-lhes a responsabilidade, clamando por democracia, também económica.Temos de recuperar a nossa soberania, e isso cabe-nos a nós, em parte, sociedade civil, através de uma mudança de atitude pela exigência, pela adaptabilidade e pela união, que se reflicta, concertadamente, nas organizações e no país.

PwC – Senior Manager

Escreve à segunda-feira





 

Pub

Pub

Pub

Pub













X
Introduza o seu endereço de e-mail.
Introduza a senha associada ao seu endereço de e-mail.
  • Sign in with Twitter
A carregar