Pub


Por Jornal i
publicado em 8 Mar 2012 - 03:00
// 

Novos pobres. A classe média portuguesa passa fome
É o desmoronamento da classe média.O drama da pobreza envergonhada

A classe média portuguesa conhece hoje o amargo da pobreza. Há fome não assumida e um índice preocupante de suicídios. São fruto do desemprego e do endividamento crescentes. O alarme vem das instituições de solidariedade social, como a Cáritas ou o Banco Alimentar, ouvidas pelo i.

À porta do Centro de Emprego do Conde de Redondo, em Lisboa, está Marta, de 43 anos, que veio inscrever-se no desemprego. Perdeu o trabalho que tinha numa editora e o marido está há 11 meses desempregado. Ambos são licenciados. Fala de uma situação aflitiva, pois perderam a casa por terem deixado de pagar o crédito e tiveram de ir com três filhos morar com os sogros. O marido está com uma depressão profunda. “Não dizemos aos amigos que em casa há dias em que se janta pouco mais que pão com manteiga”, diz, envergonhada.

Situações como esta são o pão nosso de cada dia para Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar contra a Fome: “As pessoas da classe média não ousam reconhecer que necessitam de alimentos. Não pedem sequer auxílio alimentar. Procuram as instituições de solidariedade social para pedir orientação para renegociar os créditos.”

No final de Janeiro de 2012 estavam inscritos nos Centros de Emprego do Continente e Regiões Autónomas 637 662 de- sempregados. Porém, estes números não dão uma imagem completa do drama, na opinião de Isabel Jonet. “Nada dizem dos casos das famílias que ficam sem o segundo emprego, perdendo assim a fonte de rendimento que lhes permitia assegurar o acesso a bens essenciais”, sustenta.

Com os seus grupos de acção social em praticamente todas as paróquias do país, cerca de 4300, a Cáritas é outra das instituições que melhor conhecem a realidade da pobreza nos lares portugueses.

Em Novembro passado, por ocasião do encontro das Cáritas diocesanas, foram comunicados 516 novos casos de pobreza em todo o país, o que corresponde a um aumento de 40% relativamente ao ano passado. Segundo Eugénio da Fonseca, presidente da instituição, estes casos continuam a aumentar e são cada vez mais graves. “Temos informações das nossas estruturas diocesanas que revelam um índice preocupante de suicídios”, salienta, acrescentando que, “quando as pessoas se vêem obrigadas a cortar na despesa da farmácia, os primeiros sacrificados são os antidepressivos.”

Abundam os casos de ruína financeira de famílias que até aqui funcionavam normalmente e que deixaram de conseguir pagar empréstimos contraídos.




Pub


 

Pub

Pub

Pub

Pub

Pub













X
Introduza o seu endereço de e-mail.
Introduza a senha associada ao seu endereço de e-mail.
  • Sign in with Twitter
A carregar