Pub


Por Isabel Tavares
publicado em 2 Nov 2013 - 05:00
// 

Ângelo Correia "Parlamento devia decretar estado de emergência nacional"
O antigo deputado considera que o corte nas pensões é imoral, sobretudo porque hoje são os avós que sustentam filhos e netos

Ângelo Correia tem um vasto percurso político: participou na criação do PPD, foi ministro da Administração Interna de Pinto Balsemão, esteve ligado à educação e à cultura e foi deputado à Assembleia da República, onde esteve ligado a diversas comissões parlamentares, da Defesa à Economia e Finanças. Actualmente é presidente da Fomentinvest e da Câmara de Comércio e Indústria Árabe-Portuguesa, mas está e esteve ligado a muito mais empresas, de diversos sectores de actividade. Ângelo Correia é considerado o mentor do actual primeiro- -ministro, Pedro Passos Coelho. Falámos sobre proximidades, rupturas e liberdade - a propósito deste texto, em primeiro lugar -, num país que considera estar à beira do abismo.

Os deputados exercem a sua actividade com total liberdade?

Um deputado não tem hoje a liberdade que devia ter num regime democrático, na exacta medida em que está vinculado ao partido de uma maneira excessiva em detrimento da dependência do voto popular. O voto não se exerce na pessoa do deputado.

Esse assunto é recorrente, mas não se altera nada. Porquê?

Os pequenos partidos não o desejam, porque sabem que é uma condicionante muito grande ao seu futuro.

Nas eleições autárquicas os independentes ganharam terreno. Porque são os partidos tão fechados a independentes?

Os partidos são pequenas torres de marfim de qualidade inferior. Em primeiro lugar, estão muito fechados ao mundo, quer ao mundo nacional, quer ao mundo exterior a Portugal. Em segundo lugar, não desejam expressar uma grande capacidade de renovação, porque isso cria um espírito de concorrência interno que, naturalmente, perturba alguns dos seus membros. Em Portugal os partidos políticos funcionam como funciona quase toda a sociedade: entre linhas estanques. Temos horror à colaboração entre vários sectores, áreas, pessoas, debates, diálogos, troca de ideias? Isso é nefasto para um país moderno, plural e aberto. E as grandes ideias devem ser discutidas antes de se formar governo, de modo que se saiba exactamente o que se quer, por onde se vai, com quem se vai e como se vai.

Este governo não sabia isso?

Nenhum governo em Portugal sabe.

Qual é o grau de controlo de um partido no governo que origina?




Pub


 

Pub

Pub

Pub

Pub













X
Introduza o seu endereço de e-mail.
Introduza a senha associada ao seu endereço de e-mail.
  • Sign in with Twitter
A carregar