Pub


Por Jornal i
publicado em 7 Mar 2012 - 03:00
// 

Insultos. A linha ténue até onde se pode ir num jogo de futebol
Depois de Javi García e Alan, Miguelito e Carrillo. Provocar adversários é natural mas racismo e xenofobia ficam de fora

Inglaterra deu o pontapé de saída na discussão. Luis Suarez (Liverpool) insultou Patrice Evra (Man. United) e acabou suspenso por oito jogos. John Terry (Chelsea) fez o mesmo com Anton Ferdinand (Queens Park Rangers) e vai ser julgado a 9 de Julho. Portugal decidiu copiar o pior que há numa das melhores ligas do mundo e também já vai na segunda polémica. A primeira, entre Javi García e Alan, parece ter sido ultrapassada, mas, no último fim-de-semana, Miguelito e Carrillo tornaram-se os novos protagonistas desta história.

O peruano não gostou do que ouviu e reagiu com uma chapada. André Gralha expulsou-o mas a polémica estava longe de chegar ao fim. O Sporting saiu em defesa do jogador e avançou com uma participação disciplinar contra Miguelito. Por seu turno, o jogador do V. Setúbal defendeu-se dizendo que “são coisas do futebol. Carrillo fez o mesmo”.

São coisas do futebol. É esse o ponto de partida. Provocar um adversário para tentar tirar proveito é uma estratégia antiga. Cadete, Oceano e Andrade lembraram ao i que este tipo de episódios já acontecia no passado, mas as opiniões sobre as fronteiras do aceitável divergem. Jorge Cadete, antigo internacional A, considera que “é uma questão de carácter”. “Ensino os meus jogadores a não o fazerem e a não responderem a esse tipo de provocações. Acho que o futebol não devia ter este tipo de coisas.”

Andrade está no extremo oposto. O ex--jogador do Benfica e do Sporting relembra que não era um jogador de provocar com palavras, preferindo destabilizar com toques e empurrões durante a disputa de bola: “Aliás, não posso garantir, mas duvido que alguma vez tenha visto um cartão por palavras, seja ao árbitro seja a um jogador.” Mas nem todos eram assim. Se o antigo futebolista raramente estava no lugar de provocador, não se pode dizer o mesmo da posição de provocado: “Ouvi de tudo. Mandaram--me para a mãe, para o pai, coisas sobre a mulher. Às vezes é difícil não reagir e é preciso cerrar o punho para não fazer nada, mas também depende muito da situação em que o jogo está.





 

Pub

Pub

Pub

Pub

Pub













X
Introduza o seu endereço de e-mail.
Introduza a senha associada ao seu endereço de e-mail.
  • Sign in with Twitter
A carregar