Pub


Por Jornal i
publicado em 7 Mar 2012 - 03:00
// 

Benfica-FC Porto. Jesus crucificou o auxiliar errado
Fora-de-jogo no golo de Maicon não foi assinalado porque Tiago Trigo, o assistente que estava mais longe, não deu o sinal da partida da bola

Jorge Jesus está na sala de imprensa da Luz. Perdeu com o FC Porto, perdeu a liderança da Liga e segundos depois perde também a cabeça. O tom de voz sobe à medida que avança na análise do clássico. Quando chega ao golo de Maicon, o treinador atinge o clímax do protesto. “Não entendo como é que o árbitro assistente, num lance de bola parada, não vê. Ele viu e sabe, na sua consciência, que há fora-de-jogo. Não marcou porque não quis! Por-que-não-quis!”

Jesus está a falar de Ricardo Santos, auxiliar de Pedro Proença responsável por acompanhar a defesa do Benfica no livre de James Rodríguez. Quando o colombiano cruza para a área, Otamendi e Maicon estão um passo à frente da linha de fora-de-jogo. Para Jesus, como para qualquer pessoa que viu as imagens, é evidente que os jogadores estão em posição irregular. O que falhou afinal?

Cada trio se coordena em campo à sua maneira para acompanhar as jogadas da melhor forma. No caso de uma bola parada como esta, a Ricardo Santos cabia acima de tudo a responsabilidade de se centrar na linha defensiva do Benfica. Pedro Proença estava de olho nas movimentações à entrada da área – para detectar alguma falta, por exemplo. Tiago Trigo, o homem que estava na outra ponta do relvado, mais longe da bola, tinha uma função essencial: avisar os colegas através do sistema de comunicação no momento em que a bola partisse.

Na verdade, Jorge Jesus apontou o dedo ao auxiliar errado. O i sabe, através de fonte próxima da equipa de arbitragem, que o erro no lance do terceiro golo dos dragões se deveu sobretudo a uma falha de Tiago Trigo. O outro auxiliar de Proença não deu o sinal – a palavra “bola” é o mais utilizado – para que Ricardo Santos pudesse ter a perfeita noção do momento em que James bateu o livre. Quando se apercebeu de que a bola já ia no ar, Santos terá ficado atrapalhado pela ausência de um alerta e assim perdeu a certeza quanto ao posicionamento de Maicon, que segundos depois cabeceou para o golo da vitória – o momento decisivo do clássico.





 

Pub

Pub

Pub

Pub

Pub













X
Introduza o seu endereço de e-mail.
Introduza a senha associada ao seu endereço de e-mail.
  • Sign in with Twitter
A carregar