Pub


Por Rosa Ramos
publicado em 15 Ago 2009 - 03:00

Escândalos da Democracia: pedofilia na Casa Pia
Alegados abusos sexuais envolveram figuras públicas e políticos. O processo arrasta-se há anos

A 23 de Setembro de 2002, a mãe de "Joel", um aluno da Casa Pia de Lisboa, apresenta queixa na Polícia Judiciária (PJ) contra Carlos Silvino (conhecido por "Bibi"), funcionário da instituição, por abusos sexuais contra o filho.Três meses depois, o jornal "Expresso" avança com a possibilidade de centenas de crianças terem sido violadas por um funcionário nos últimos 30 anos. Começa assim um dos processos mais mediáticos e polémicos de sempre.Dois dias depois da notícia do semanário, o ministro da Segurança Social e do Trabalho, Bagão Félix, demitiu o provedor da Casa Pia, Luís Rebelo. Pouco tempo depois, o Ministério Público (MP) emite um mandado de captura contra Carlos Silvino por suspeita de abuso sexual de menores. Bibi fica então em prisão preventiva, por decisão do tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa, passando a ser defendido pelo advogado Hugo Marçal. Em 2003, a 1 de Fevereiro, o advogado é detido, juntamente com o apresentador de televisão Carlos Cruz e o médico Ferreira Diniz, todos suspeitos no caso de pedofilia.Hugo Marçal é depois libertado, a troco de uma caução de dez mil euros. Dias mais tarde, a Procuradoria-Geral da República esclarece que as detenções foram feitas por haver "fortes indícios" da prática de crimes de abuso sexual de menores e incentivo à prostituição com fins lucrativos (lenocínio). A 1 de Abril, Manuel Abrantes, ex-provedor adjunto da Casa Pia, junta-se à lista de detidos preventivos e, em Maio, Hugo Marçal volta a ser detido. O mesmo sucede ao embaixador Jorge Ritto e ao deputado do PS Paulo Pedroso. O caso afecta a liderança do PS, com Ferro Rodrigues a dizer ao telefone, como mais tarde revelou umas das escutas: "Estou-me cagando para o segredo de justiça." Eram os tempos da tese da cabala.É também em Maio que o humorista Herman José é notificado para ser ouvido no Tribunal de Instrução Criminal (TIC), acusado de ter abusado de um adolescente. Mas o humorista provou que na data referida pelo MP estava no Brasil, ao serviço da SIC. A juíza de instrução, Ana Teixeira e Silva, acabaria por reconhecer o lapso e arquivou a queixa contra Herman José.Sentença A sentença está praticamente pronta.




Pub


 

Pub

Pub

Pub

Pub













X
Introduza o seu endereço de e-mail.
Introduza a senha associada ao seu endereço de e-mail.
  • Sign in with Twitter
A carregar